blw.jpg

A SITE OF BEAUTIFUL RESISTANCE

Gods&Radicals—A Site of Beautiful Resistance.

Blood... or Soil? Fascism, Leftism, and the Coming Food Crises

Para ler em Português clique aqui.

A few weeks ago I was in an old Burgundian town in central France, huddled inside a house as a suffocating heat enveloped the land.

It was 105 degrees beyond those walls, just as it had been the day before. 105 degrees was four degrees above a record high of 101, and 26 degrees above the average temperature during the traditionally hottest month of the year there. This was the second heat wave in France in the space of three weeks, notable not just for the historical temperature records those canicules broke, but also for how deeply they desiccated a generally wet country.

Bretagne, where I live, is the wettest part of France. Its climate is comparable to that the Pacific Northwest of the United States: rain all winter, short summers with only a few hot days. Yet in the news the last few weeks have been multiple debates about diverting large amounts of water from reservoirs in order to stave off a farming crisis caused by the droughts. The situation is much worse elsewhere in France, with water warnings issued in multiple départements and an unrelated (-ish) radioactive contamination of the Loire, France's longest river, affecting not just agriculture but drinking water in cities.

Perhaps those of you reading this in the United States can somewhat sympathize with these problems, seeing as something quite similar recently happened to much of the east coast and mid-west. The weather there's been “unusually" warm as well, following an “unusually" cold winter and a series of torrential rains that (perhaps you've heard) threaten a significant amount of the American food supply.

If perchance you haven't heard this last part, that's hardly surprising. Though catastrophic climate events make for interesting news stories, food insecurity isn't something the capitalist media is necessarily keen to broadcast. Besides being a matter of potential unrest (hungry people often revolt), one of the supposed victories of capitalism is that we've progressed far beyond the famines, droughts, and the food shortages which mark the “developing" and “primitive" world.

Those old enough to remember Reaganite propaganda will understand this more readily than I suspect younger folks will. Television in the 80's, particularly news and political programs, devoted intense coverage to famines in Africa, Asia, and Eastern Europe, with particular attention to countries who were not part of what was then called “The First World" (the US, Europe, and other developed capitalist nations). [By the way, the “Second World" was communist-aligned countries, and “Third World" referred to the unaligned states over which the first and second worlds warred]

Such media became a kind of relentless litany of the failures of State Communism and “tribal" or “primitive" forms of government, all serving to reinforce within the American mind that capitalism was a triumph and the rest of the world just needed to get with the program.

Of course, this propaganda obscured food production crises in the United States. One such crisis was the widespread loss of small family-held farms throughout the country during the 1980's. The story of how this happened will be familiar to anyone who was paying attention during the housing crisis in 2009 (which nearly destroyed the entire global financial system). In fact, the mechanism was the same.

"God Bless The USA"

In the late 70's, grain prices were unusually high, meaning there was suddenly more profit to be made in growing and selling grain than other crops. Farmers who wanted to take advantage of these high profits expanded their production and moved away from other crops, greatly increasing the amount of grain on the market. Banks, seeing the potential to profit also, began lending money to farmers at cheaper interest rates. All this readily-available credit encouraged farmers to purchase more land to devote to grain production, again increasing the overall supply of grain.

Incidentally, also increasing this supply was an unexpected embargo against grain sales to the U.S.S.R., implemented as a retaliation for the invasion of Afghanistan in 1979. That invasion of course is what led the United States to train and fund a young Saudi Arabian man, Osama bin Laden, to fight the Soviets. History is never an isolated narrative.

When supply outstrips demand, prices fall. This is because sellers (who in capitalism are always competing with each other) reduce their prices in order to convince buyers to purchase their goods. And since sellers are competing with each other for buyers, when one seller lowers their price, others will often lower their own just a little more. Multiply this by thousands or millions of competing sellers trying to profit from the same sort of product and you often have sudden market collapses.

A market collapse occurs when prices fall so low that sellers or producers (or in this case, farmers) not only do not profit from their sales, they actually lose money. That's what happened to farmers in the early 1980's: grain prices fell so low that farmers were selling at a loss and therefore couldn't pay back the money they'd borrowed from banks to expand their grain production.

Two figures between 1980 and 1990 will help you understand the depth of the problem. The first number is the amount of farms lost: 548,000 (just over half a million). But a more relevant number is the change in farming population between 1980 and 1990: 3,661,000. That is, 3.7 million fewer farmers existed in the US from 1980 to 1990, while only half a million farms disappeared.

This is what happened during the housing crisis as well: everyone was trying to sell houses at the same time, spurred on by initial high prices. This flooded the housing market, caused prices to plummet, and then the market collapsed. In both situations, sellers (farmers or house-owners) had gotten themselves into severe debt, betting that future profit would more than make up for their risk.

One thing not mentioned in either case, however, is what happened to all those extra properties (farms and houses) after the collapse. In both cases, finance capitalists and corporations (American and foreign) who had much more capital to draw from than average farmers or home-buyers, snatched up the indebted property for very small amounts of money. This is what has led to the concentration of massive amounts of land (in the form of farms or houses) into fewer and fewer hands within the United States.

Historical events in which large groups of people suddenly lose everything they have because of capitalist and government manipulation usually result in civil unrest or revolt. But of course, in America such events never do. No small part of the fault for this is leftist abandonment of people groups deemed ignorant or backwards. In the case of farmers (who are in the US mostly but not all white), no leftist group in the United States has given any serious attention to their plight for almost a century.

Leftists (by which I particularly mean urban, college-educated leftists) tend to think of rural populations (especially farmers) as an inherently right-leaning group of people, hopelessly Republican, Christian, and racist. Many of them indeed are now, but there's nothing intrinsic to working the land or living outside of a city that makes them so. Instead, besides leftist abandonment of their causes, the reason why rural and farming populations skew right in the US is because right-wing political groups, politicians, and capitalist interests spend a lot of money (particularly through propaganda) to make them (and keep them) that way.

If government propaganda to make farmers right-wing seems far-fetched, you probably are too young to remember the best example of this, Lee Greenwood's “God Bless The USA." Lee Greenwood, besides having written perhaps the most horrific patriotic song in American history, was also incidentally appointed by Ronald Reagan to the National Endowment of the Arts advisory council (the same NEA that conservatives wanted to defund because of Robert Mapplethorpe). While the song itself is quite atrocious, the video shows the depth and brilliance of such propaganda:

Land, Food, and Fascism

Remember: during the 80's, 3.66 million people lost employment as farmers, more than 1% of the US total population at the time. Many of those were families who'd only known farming and were living far from urban centers where other job “opportunities" existed. That's a lot of people, many of them connected by blood and community, all thrown into sudden precarity. Without sustained government propaganda, or with even a modicum of leftist organizing, many of those people might have easily become part of a revolutionary class seizing land back from the banks and agricultural capitalists (as many did during the Great Depression).

Hundreds of farmers gathered for a “penny auction." During penny auctions, farmers organized together to bid pennies for foreclosed farms and intimidate urban and foreign investors from bidding higher (sometimes hanging nooses or carrying around guns as a show of potential violence). The point was to allow the farmer who'd lost their land to the bank to buy it back in the auction

Hundreds of farmers gathered for a “penny auction." During penny auctions, farmers organized together to bid pennies for foreclosed farms and intimidate urban and foreign investors from bidding higher (sometimes hanging nooses or carrying around guns as a show of potential violence). The point was to allow the farmer who'd lost their land to the bank to buy it back in the auction

But of course no such revolt occurred in the 1980's, and the rural farming populations now lean right-wing. Not just right, but far-right, a situation quite similar to the rural farming populations in Germany during the rise of the Nazi party.

While I absolutely think you should worry about this parallel, you should know it's not fully analogous. For instance, in Germany, rural Nazi party officials organized their local farming communities towards their ideology while simultaneously pushing within the party for greater financial support of small farmers who had been devastated by post-war liberal Weimar policies. In America, the Republican party and large agribusiness mutually support each other, but smaller farmers (the few remaining, that is) get very little out of these deals. That is to say, the alliance between right and far-right political movements and rural farmers in the United States isn't yet complete, nor is it yet irrevocable.

Maybe you might be wondering, “why bother?" Especially since the territory on which most of the current crises of fascism are occurring tends to be the urban: attacks on Muslims and Jews, deportations of immigrants from dense cities, murders of queer and trans folks, and actually-existing fascist gangs like the Proud Boys roaming streets on weekends. With so many such events in cities occurring with increasing vigor and violence, why shift focus, especially with such deep cultural enmity between the “queer" city and the “conservative" rural?

Because there's a much more urgent crisis: that of food production. You probably already understand that climate change is  affecting agriculture worldwide and will do so even more as conditions deteriorate. But to remind you, here are two brief summaries. First, on the American situation:

Massive flooding and heavier than normal precipitation across the US Midwest this year delayed or entirely prevented the planting of many crops. The situation was sufficiently widespread that it was visible from space. The trouble isn’t over yet: Hotter-than-normal temperatures predicted to follow could adversely affect corn pollination. Projections of lower yields have already stimulated higher prices in UN grain indexes and US ethanol. Additionally, the USDA is expecting harvests to be of inferior quality. Furthermore, the effects of this year could bleed into 2020; late planting leads to late harvesting which delays fall tilling, potentially until next spring, when who knows what Mother Nature will deliver. [Kollibri terre Sonnenblume 14/7/19]

And then on the global one:

The world’s land and water resources are being exploited at “unprecedented rates,” a new United Nations report warns, which combined with climate change is putting dire pressure on the ability of humanity to feed itself.

The report, prepared by more than 100 experts from 52 countries and released in summary form in Geneva on Thursday, found that the window to address the threat is closing rapidly. A half-billion people already live in places turning into desert, and soil is being lost between 10 and 100 times faster than it is forming, according to the report.

Climate change will make those threats even worse, as floods, drought, storms and other types of extreme weather threaten to disrupt, and over time shrink, the global food supply. Already, more than 10 percent of the world’s population remains undernourished, and some authors of the report warned in interviews that food shortages could lead to an increase in cross-border migration.

A particular danger is that food crises could develop on several continents at once, said Cynthia Rosenzweig, a senior research scientist at the NASA Goddard Institute for Space Studies and one of the lead authors of the report. “The potential risk of multi-breadbasket failure is increasing,” she said. “All of these things are happening at the same time.” [NYTIMES 8/8/19]

To say food production is more urgent a crisis than fascism is to say this: the conditions that will inevitably cause even more fascism completely overshadow the iterations of fascism we've already seen. Or as Peter Grey puts in in his essay, “Seeing Through The Apocalypse":

The results of this locust ravaged world is that ploughshares and starships will be beaten in AK47s. Our freedom will come under increasing threat as populations riot and elites struggle to keep control. Hungry people who have lost everything and have no sense of community are not a pretty sight. [The Brazen Vessel, p322 ]

The fascism that we are already seeing in the form of anti-immigrant violence by governments and individuals is, as I've argued for quite some time, a response to a larger crisis. Continuing to quote the New York Times article on the I.P.C.C. report:

Some authors also suggested that food shortages are likely to affect poorer parts of the world far more than richer ones. That could increase a flow of immigration that is already redefining politics in North America, Europe and other parts of the world.

“People’s lives will be affected by a massive pressure for migration,” said Pete Smith, a professor of plant and soil science at the University of Aberdeen and one of the report’s lead authors. “People don’t stay and die where they are. People migrate.”

Between 2010 and 2015 the number of migrants from El Salvador, Guatemala and Honduras showing up at the United States’ border with Mexico increased fivefold, coinciding with a dry period that left many with not enough food and was so unusual that scientists suggested it bears the signal of climate change.

Read that last paragraph again. That's the connection between climate change and immigration battles in the United States. Or if you're in Europe, read this article, describing how drought last decade in Syria triggered civil unrest and influenced the civil war, thus causing the massive influx of Syrian refugees into Europe. That in turn fueled the rise of European nationalist parties.

Climate change is making it harder for people to eat. Those people (for very good reasons) move to places where they are more likely to find food. And then the people already in those places react, often quite negatively and sometimes horrifyingly.

All of this puts stress on an already precarious food production system and puts farmers in a contradictory position. The catastrophic crises caused by climate change are already affecting farmers in the United States, farmers who also often rely on immigrant labor in order to produce their food. Those farmers and their communities currently skew anti-immigrant because of decades of right-wing propaganda, yet also are the communities who will be hit hardest if all the undocumented migrant farm workers are deported.

But the really terrifying potential crisis lies outside those farming communities. Millions of people concentrated in small geographical areas, stacked up on top of each other with little or no access to arable land, wholly-dependent upon capitalist agricultural infrastructure to provide them the means to survive. Yeah, I'm talking about most of you reading this, every person living in a city or a suburb, getting your sustenance from supermarkets and restaurants and UberEats.

Cities are far removed from all the processes which deliver food to them, so far in fact that the only way most people living in a city will ever begin to understand the collapsing food system outside their apartments is through food shortages and price spikes. Even if the capitalist media does cover food-related crises, it's not even clear most would understand what was happening until it was too late. “Harvest" is a metaphor for most of us, not an actual process anyone we know is actually engaged in (and worried about), and “yield" is something you do when entering an intersection, not a closely-watched figure that foretells whether people will eat next year.

So when the inevitable food crises occur, people in the cities will be the ones least able to understand what has occurred and, worse still, least able to find other ways to sustain themselves. As Kollibri terre Sonnenblume explains in his essay (read the whole thing, seriously), the amount of space and effort required to feed yourself is impossible from backyard or urban gardening. No one in cities except the very rich has access to the amount of land needed. Suburb dwellers might, but then also they would need the knowledge of how to actually do so and have already been doing so when a crisis hits.

So as it stands, people in cities are completely dependent upon increasingly precarious capitalist distribution and food production and have no alternative. Worse than this, the population actually involved in that production (farmers large and small, farm laborers migrant or otherwise) have little care for urban politics and have been for so long abandoned by leftist organizers that they are now solidly sympathetic to white supremacist, nationalist, and fascist rhetoric.

To Save The City, Organize the Countryside

Let me restate this simply: during the coming food production crises, unless the left also attempts to organize rural populations and farming communities, it will be the fascists determining who in the cities gets to eat. And not just the people in the cities now, but the people flooding into the United States from the Global South (those that get past Trump's wall, which is being built specifically because he knows they're coming). And also the people fleeing to larger cities from smaller towns whose infrastructure will collapse first in floods, droughts, and storms. And add to this number all the internal refugees already flooding the streets of large cities, the grey traumatized masses we generally just call “homeless."

In moments of mass urban crisis, fascism will always have immediate appeal, especially to the middle-classes and capitalists, those who benefit most from the way Liberal Democracies currently operate. For the poorest, food insecurity and other breakdowns in civilization's “services" are already written into their daily lives and so they are thus, to some degree, initially more immune to such rhetoric. To understand why, consider what a middle-class woman in Portland, Oregon might do if she suddenly had no access to clean water, and then compare this to the poor women in Flint, Michigan experiencing that very thing already.

Fascism is an easily-grasped, concrete response to these crises. Fascism's emphasis on authority and order can be a welcome promise to confused people facing uncertainty and chaos. Fascism's emphasis on in/out dichotomies (which social justice identitarianism merely inverts, rather than abolishes) can provide a concrete way for terrified people to know whom they should trust and who “the enemy" is. And the direct violence of fascist state and quasi-state apparatuses (police, military, private security firms, armed “patriot" groups) will always viscerally feel more effective than any number of liberal and leftist platitudes about equality, justice, and dismantling oppression.

If talk of such state violence seems a little overblown, I'd kindly like to remind you that the US military has already been focusing on controlling the impending crises in cities:

Cities swelled with refugees competing with residents for uncertain and dwindling amounts of food being produced on land controlled by fewer and fewer capitalists, while an increasingly authoritarian government and armed groups of nationalists patrol the streets rooting out deviance and rebellion: this is not the far future of Mad Max, but the very close future of before your children graduate.

Can we stop this? Probably not, or not fully. But besides fleeing the cities to live off the land (a really good idea, but make sure you bring friends because you'll need lots of help), there are a few things that would stave off some of the worst of this.

First, a situation needs to arise within the cities where leftists are able to provide protection, assistance, and basic needs to their own communities without reliance on the capitalists. This is called a “dual power" situation, where the primary power relationship (the capitalist state) is challenged by competing internal power relationships. What is needed in the United States and other Liberal Democracies are deeply-organized and non-sectarian leftist resistance networks. These networks (parties, community organizations, armies, tribes, or gangs) will need to act like “local warlords" or religious orders, able to challenge the power of the government and rival fascist groups while proving themselves able to provide for their communities’ needs (food, safety, etc).

While this already probably seems an impossible situation, the second point will seem even more unlikely. Such networks in the cities would need either to include or be extended to the nearby rural. Imagine something like the Black Panthers running bingo halls in farming communities and you'll get an idea of what this would need to be. A ridiculous proposition, maybe, but only because we've for so long accepted that rural communities are inherently right-wing and racist that we've made sure it was the case.

While in the United States such an idea might sound ridiculous, it's a lot easier to imagine it being possible where I live in France. Every Saturday I buy my week's vegetables (the ones I'm not growing in my garden) from a massive farmer's market, where myself and several thousand other urban dwellers interact directly with rural food producers. Expanding such markets and causing the relationship between farmers and city-dwellers to extend into political alliance and mutual aid is only an absurd proposition if we accept the idea that the city is better than the rural or that farming is a sub-standard and undesirable way to live.

One key political point that could provide a strong foundation for such mutual relationships would be around foreclosures. Climate change will make it harder for indebted farmers to pay back the banks, just as unemployment in the cities causes many people to lose their homes. Building a broad-based resistance to the banks across the city/rural divide would be a highly effective way to increase solidarity and destabilize capitalist interests. Another practical possibility: organized leftist groups helping to provide labor for farmers who cannot find workers after their usual laborers are deported. Teaching urban-dwellers how food production actually happens and giving both urban and rural people a chance to interact would be two additional benefits. Such a mutual relationship could also ultimately help undocumented immigrants, who would benefit from protection networks extending between city and farm.

Again, all of this probably seems unlikely, mostly because there are currently no such networks, gangs, or parties in the United States that can even begin to challenge the capitalist's dominance or the increasing threat of fascist organizing. But as catastrophically dire as climate change will be, the chaos it will cause will nevertheless provide multiple openings for anti-capitalist groups to position themselves this way. Occupy Katrina and Occupy Sandy, two temporary movements arising out of disaster response to hurricanes, both provide examples of such potential openings.

More than anything, however, I think the primary challenge to ensuring people won't starve to the death in the cities is that of finally uprooting the anti-rural sentiment of urban leftists. “Hick," references to incest or lack of education, and all the other very common bourgeois slurs about non-urban people that leftists repeat should become as verboten as racial slurs are to us now.

Here the origins of Pagan might help a little, since paganus was an ancient Latin word the Romans used to describe rural people. To be Pagan was to cling to old ways, to refuse to assimilate to the laws and logic of the cities, to maintain local gods and local customs that never fully became subsumed by the religion of Empire. In its current anti-ruralism, the American left comes a lot closer to adopting the position of Rome against the conquered peoples than anything that could be said to be revolutionary. Ending this superiority complex and fully understanding how reliant everyone is upon the dirt-encrusted nails of those who work the earth would anyway get us closer to a leftism that doesn't destroy nature.

It will probably also be the key to our survival.


Gods&Radicals urgently needs your help for us to continue. Donate to keep our beautiful resistance going.


RHYD WILDERMUTH

rhyd alejandro.jpg

Rhyd Wildermuth is a druid and writer. His latest book is All That Is Sacred Is Profaned: A Pagan Guide to Marxism. He also instructs a course based on the text, starting next on 1 September, 2019.

His other books can be found here, and his personal blog is Paganarch.


Tradução

Sangue... ou Solo? Fascismo, a esquerda e as próximas crises alimentares

(Blood... or Soil? Fascism, Leftism, and the Coming Food Crises) – Rhyd Wildermuth

Tradução por Felipe Moretti

Algumas semanas atrás eu estava numa antiga cidade da Borgonha, na França central, entocado numa casa enquanto um calor asfixiante encobria o país.

Fazia 40 graus por fora dos muros, a mesma temperatura do dia anterior. 40 graus era dois graus a mais do que a temperatura máxima já registrada de 38 graus, e 15 graus superior à temperatura média do mês mais quente para aquela região. Era a segunda onda de calor na França em três semanas, sendo notável não só porque esta canícula tinha superado as máximas normais de temperatura, mas também por ter conseguido secar um país normalmente tão úmido.

A Bretanha, onde eu moro, é geralmente a região mais úmida da França. Seu clima é comparável ao Noroeste Pacífico dos Estados Unidos: chove o inverno inteiro e os verões são curtos, com poucos dias quentes. Apesar disso, durante as últimas semanas tem se debatido na mídia se seria apropriado desviar água de reservatórios para evitar uma crise agrícola causada pela seca. A situação é muito pior em outros lugares da França, onde foram levantados alertas de seca em vários départements e onde uma contaminação radioativa desvinculada (mais ou menos) do Loire, o rio mais extenso da França, afeta não só atividades agrícolas mas o acesso à água potável nas cidades.

Talvez vocês que estejam nos Estados Unidos lendo este artigo se simpatizem com esta situação, já que algo bem parecido aconteceu recentemente em boa parte da costa leste e o meio-oeste. O tempo lá também tem sido “excepcionalmente” quente, seguindo um inverno “excepcionalmente” frio e uma leva de temporais que (talvez tenham ouvido) ameaçam boa parte da segurança alimentar estadunidense. 

Se, por acaso, não tenham ouvido esta última parte, não devem se surpreender. Embora eventos climáticos sejam notícias interessantes, a insegurança alimentar não é algo que a mídia capitalista tenha necessariamente muito interesse em divulgar. Além de ser uma questão de agitação social, porque pessoas com fome frequentemente se revoltam, uma das aparentes vitórias do capitalismo é que deixamos para trás a fome, a seca e a falta de comida que caracterizam o mundo “subdesenvolvido” ou “primitivo”.

Quem for velho o suficiente para lembrar a propaganda do governo Reagan entenderá isso melhor do que pessoas mais jovens, suspeito. A televisão dos anos 80, em particular os noticiários e programas políticos, davam muita cobertura à fome na África, na Ásia e no Leste Europeu, particularmente focando nos países que não eram parte do que então se chamava “O Primeiro Mundo” (os EUA, a Europa e outras nações capitalistas desenvolvidas). [Só para saber, o “Segundo Mundo” eram os países alinhados com a União Soviética, e “Terceiro Mundo” se referia aos países não-alinhados sobre os quais o primeiro e o segundo mundo entravam em conflito.]

Essa mídia se transformou numa ladainha incessante dos fracassos do comunismo estatal e formas “tribais” ou “primitivas” de governo, tudo reforçando no imaginário estadunidense que o capitalismo era um triunfo e que o resto do planeta tinha que fazer parte do jogo.

Obviamente, este tipo de propaganda ocultou crises na produção alimentar dentro dos Estados Unidos. Uma destas foi a onda de retomadas por bancos de pequenas fazendas familiares durante os anos 80. A história de como isso aconteceu é familiar para quem estava prestando atenção durante a crise imobiliária de 2009 (e que quase destruiu todo o sistema financeiro global). De fato, o mecanismo em jogo foi quase o mesmo.

“God bless the USA”

No final dos anos 70, a cotação de preços de cereais estava excepcionalmente alta, o que significa que do nada era mais lucrativo plantar e vender cereais do que outras culturas. Os agricultores que queriam aproveitar esta onda de lucros elevados expandiram a produção de cereais e diminuíram a de outras culturas, aumentando dramaticamente a quantidade de cereais no mercado. Os bancos, percebendo que também poderiam lucrar, começaram a emprestar dinheiro aos agricultores por juros menores. A expansão do crédito levou os agricultores a comprar mais terra para plantar mais cereais, assim aumentando mais ainda a oferta de cereais.

Incidentalmente, o embargo inesperado à venda de cereais à União Soviética, uma retaliação pela invasão do Afeganistão em 1979, também ajudou a aumentar a oferta no mercado. Foi esta invasão, é claro, que levou os EUA a treinar e financiar um jovem saudita, Osama Bin Laden, para lutar contra os soviéticos. A história nunca é uma narrativa isolada.

Quando a oferta excede a demanda, os preços caem, porque os vendedores (que no capitalismo sempre competem entre si) reduzem os preços para que os consumidores comprem seus produtos. E como os vendedores competem entre si pelos compradores, quando um vendedor diminui o preço de seus produtos, os outros frequentemente abaixarão os deles só um pouquinho a mais. Quando você multiplica esse fenômeno por milhares ou milhões de vendedores competidores tentando lucrar do mesmo tipo de produto, você frequentemente chega a colapsos repentinos do mercado.

Um mercado colapsa quando os preços são tão baixos que os vendedores ou produtores (neste caso, os agricultores), além de não lucrar, perdem dinheiro. Foi o que aconteceu com os agricultores no começo dos anos 80: o preço de cereais caiu tanto que eles entravam em prejuízo e, portanto, não conseguiam pagar aos bancos os empréstimos que tinham recebido para expandir sua produção de cereais.

Dois dados entre 1980 e 1990 ajudam a entender a profundidade do problema. O primeiro é o número de fazendas que foram retomadas: 548.000 (um pouco mais de um milhão). Mas o número mais relevante é a mudança na população agrícola entre 1980 e 1990: 3.661.000. Ou seja, houve 3,7 milhões a menos de agricultores entre 1980 e 1990 nos EUA, ao mesmo tempo que somente meio milhão de fazendas desapareceram.

Foi o que também aconteceu durante a crise imobiliária: todo mundo tentou vender suas casas ao mesmo tempo, instigado por preços iniciais altos. Acabou que o mercado imobiliário se saturou, os preços despencaram, e assim o mercado entrou em colapso. Em ambas as situações, vendedores (agricultores ou proprietários imobiliários) contraíram dívidas enormes ao apostar que o lucro previsto faria valer a pena o risco tomado. 

No entanto, em nenhum desses casos se contou o que aconteceu com o excesso de propriedades (fazendas e casas) depois do colapso. Em ambos, investidores e empresas (estadunidenses e estrangeiras), que possuíam muito mais capital de reserva que o agricultor ou proprietário imobiliário mediano, compraram as propriedades retomadas por preços muito baixos. Foi assim que se chegou à concentração de muita terra (na forma de casas e fazendas) em cada vez menos mãos nos Estados Unidos.

Os eventos históricos em que muitas pessoas perdem do nada tudo o que têm por causa da manipulação estatal e capitalista normalmente levam à agitação social ou à revolta. Mas – é claro –  nos Estados Unidos isso nunca acontece. Boa parte da culpa fica com a esquerda, que abandonou populações consideradas ignorantes ou retrógradas. No caso de agricultores (que nos EUA são quase todos brancos), nenhum coletivo de esquerda nos Estados Unidos tem realmente dado atenção à sua condição por quase um século.

Pessoas de esquerda (pelo qual quero dizer pessoas de esquerda urbanas e universitárias) tendem a ver a população rural (especialmente os agricultores) como um grupo essencialmente de direita, republicanos, cristãos e racistas sem salvação. Boa parte dela hoje é assim, mas não há nada intrínseco à lavoura ou morar no campo que a faça assim. Ao contrário, para além do abandono da esquerda aos seus problemas, a razão pela qual a população agrícola e rural tende à direita nos EUA é porque grupos políticos de direita, políticos e capitalistas gastaram muito dinheiro (especialmente através da propaganda) para moldá-la e deixá-la desse jeito.

Se a ideia de propaganda estatal para levar agricultores à direita parece exagerada, você provavelmente é jovem demais para lembrar o melhor exemplo desta tática, a música “God Bless The USA” de Lee Greenwood. Além de ter composto provavelmente a pior canção patriota na história dos Estados Unidos, Lee Greenwood a propósito também foi posto por Ronald Reagan no comitê de assessoria do National Endowment of the Arts (Fundo Nacional das Artes), o mesmo NEA cujo orçamento políticos conservadores quiseram reduzir por causa de Robert Mapplethorpe. Mesmo a música em si sendo atroz, o vídeo revela o gênio e a profundidade dessa propaganda:

Terra, comida e fascismo

Lembre-se: durante a década de 80, 3,66 milhões de agricultores perderam seu sustento, mais de 1% da população estadunidense na época. Muitos faziam parte de famílias que só sabiam cultivar e que viviam longe de centros urbanos onde outras “oportunidades” de empregos existiam. Era muita gente, a maioria unida por laços de sangue e comunidade, que de repente foram jogadas na precariedade. Se não fosse pela contínua propaganda estatal e a falta total de militância de esquerda, muitas dessas pessoas poderiam ter facilmente formado parte de uma classe revolucionária tomando suas terras de volta dos bancos e capitalistas agrários (como muitos fizeram na Grande Depressão).

[ descrição da imagem : Centenas de fazendeiros reunidos para uma  penny auction . Durante as  penny auctions , agricultores se organizavam para lançar centavos para comprar fazendas retomadas e intimidar investidores urbanos e estrangeiros (ocasionalmente, pendurando forcas ou exibindo armas de fogo como aviso). O objetivo era permitir que o agricultor que tinha perdido a sua terra pudesse comprá-la de volta na retomada]

[descrição da imagem: Centenas de fazendeiros reunidos para uma penny auction. Durante as penny auctions, agricultores se organizavam para lançar centavos para comprar fazendas retomadas e intimidar investidores urbanos e estrangeiros (ocasionalmente, pendurando forcas ou exibindo armas de fogo como aviso). O objetivo era permitir que o agricultor que tinha perdido a sua terra pudesse comprá-la de volta na retomada]

Mas, é claro, nenhuma revolta assim aconteceu nos anos 80 e agora a população rural tende à direita. Não só à direita, mas à extrema-direita, uma situação muito semelhante àquela vivida pela população rural na Alemanha durante a ascensão do partido nazista.

Embora eu certamente acredite que você deveria se preocupar com este paralelo, você deveria saber ele não é totalmente análogo. Por exemplo, na Alemanha, oficiais rurais do partido nazista organizavam as comunidades locais em volta da sua ideologia enquanto também pressionavam o partido para dar apoio financeiro a pequenos agricultores que tinham sido arrasados pelas políticas liberais do pós-guerra. Nos Estados Unidos, o partido republicano e o agronegócio apoia um ao outro, mas os agricultores pequenos (os que sobraram) não ganham muito dessas negociatas. Quer dizer, a aliança entre os movimentos de direita e extrema-direita e agricultores nos Estados Unidos ainda não é total, e nem é inalterável.

Talvez você pense, “e daí?”, já que o território em que a maioria das crises atuais do fascismo toma lugar tende a ser urbano: é onde judeus e muçulmanos são atacados, imigrantes são deportados, pessoas LGBT são assassinadas e gangues fascistas que existem, como os Proud Boys, vagam pelas ruas nos finais de semana. Com tantos eventos dessa natureza acontecendo nas cidades com intensidade e violência ascendentes, por que mudar o foco, especialmente quando há tanta inimizade cultural entre a cidade “LGBT” e o campo “conservador”?

Porque há uma crise muito mais urgente: a crise da produção alimentar. Você já sabe que a mudança climática está afetando a produção agrícola globalmente e o saberá melhor ainda à medida que as condições piorem. Mas, como lembrete, aqui apresento dois pequenos resumos.

Primeiro, sobre a situação estadunidense:

“Enchentes destrutivas e chuvas mais fortes que o esperado por todo o Meio-Oeste dos EUA este ano atrasaram ou impediram o semeio de muitas culturas. O impacto foi tão amplo que se tornou visível do espaço. As dificuldades ainda não terminaram: temperaturas mais altas que o esperado poderiam afetar negativamente a polinação do milho. As projeções de safras menores já levaram ao aumento dos índices de preços de cereais da ONU e do etanol estadunidense. Adicionalmente, a USDA prevê que estas colheitas sejam de qualidade inferior. Além disso, as consequências deste ano poderiam afetar 2020; o semeio atrasado leva a colheitas atrasadas, o que atrasa a lavragem do outono, adiando-a até a primavera seguinte, quando quem sabe o que nos trará a Mãe Natureza.” [Kollibri terre Sonnenblume 14/7/19]

E, depois, sobre a situação mundial:

“Os recursos de água e terra do planeta estão sendo explorados em níveis “sem precedentes”, avisa um novo relatório das Nações Unidas. Junto com a mudança climática, aumenta-se dramaticamente a pressão sob a capacidade da humanidade de se alimentar.

O relatório, preparado por mais de cem profissionais de 52 países e divulgado num formato reduzido em Genebra na quinta-feira, conclui que a janela de oportunidades para enfrentar a ameaça está rapidamente se fechando. Meio bilhão de pessoas já vivem em lugares em processo de desertificação e a terra arável está sendo perdida dez a cem vezes mais rápido do que se forma. 

A mudança climática agravará estes problemas, à medida que enchentes, secas, tempestades e outros tipos de eventos climáticos extremos ameaçam os recursos alimentares globais. Mais de dez por cento da população global enfrenta a subnutrição e alguns autores do relatório em entrevista advertiram que a escassez alimentar poderia levar à intensificação dos fluxos migratórios.

Um perigo em particular é que as crises alimentares surjam em vários continentes simultâneamente, disse Cynthia Rosenzweig, uma pesquisadora sênior no Instituto Goddard para Pesquisas Espaciais na NASA e uma das autoras principais do relatório. “O risco de colapso de múltiplos celeiros está aumentando”, afirmou. “Tudo isso está acontecendo ao mesmo tempo.”” [NYTIMES 8/8/19]

Dizer que a produção de alimentos é uma crise mais urgente que o fascismo é afirmar que: as condições que inevitavelmente fortalecerão o fascismo ofuscam por completo as iterações do fascismo que já conhecemos. Ou, como Peter Grey coloca o problema no ensaio “Vendo além do apocalipse” [“Seeing Through the Apocalypse”]:

“Deste mundo assolado por gafanhotos, arados e naves espaciais serão forjados em AK-47s. Nossa liberdade será crescentemente ameaçada enquanto as populações se revoltam e as elites se esforçam para manter o controle. Pessoas esfomeadas que perderam tudo e que não têm nenhuma comunidade não são um espetáculo que se queira ver.” [The Brazen Vessel, p322]

O fascismo que já vemos na forma da violência de governos e indivíduos contra imigrantes é, como tenho falado há algum tempo, uma resposta a uma crise maior. Dando seguida ao artigo do New York Times sobre o relatório do IPCC:

“Alguns autores sugerem que a escassez alimentar afetará mais as regiões pobres do que as ricas, o que poderia estimular a imigração que já está redefinindo a política da América do Norte, a Europa e outras partes do mundo.

“A vida das pessoas vai ser afetada por uma pressão gigante para migrar”, disse Pete Smith, professor de ciências do solo e plantas da Universidade de Aberdeen e um dos autores principais do relatório. “As pessoas não ficam e morrem onde estão. Elas migram.”

Entre 2010 e 2015 o número de imigrantes de El Salvador, Guatemala e Honduras chegando na fronteira dos Estados Unidos com o México aumentou cinco vezes, o que coincide com um período de seca que deixou muitos sem comida e que foi tão inusual que cientistas sugerem que traz os sinais de mudança climática.”

Leia este último parágrafo de novo. Essa é a conexão entre a mudança climática e os conflitos sobre a questão da imigração nos Estados Unidos. Ou se você estiver na Europa, leia este artigo, que descreve como que as secas da década passada na Síria provocaram o conflito social e influenciaram a guerra civil, causando o enorme fluxo de imigrantes sírios que chegou na Europa – o que alimentou a ascensão dos partidos nacionalistas europeus.

A mudança climática está dificultando o acesso à comida. As pessoas migram para lugares onde tenham mais chance de ter comida, por razões muito nítidas. E aí as pessoas que já vivem nestes lugares reagem – muitas vezes de forma negativa e, ocasionalmente, de forma horrível.

Tudo isso fragiliza um sistema de produção de alimentos já precário e leva os agricultores a uma posição contraditória. As crises catastróficas causadas pela mudança climática já afetam agricultores nos Estados Unidos, agricultores que também dependem da força de trabalho imigrante para produzir sua comida. Estes agricultores e suas comunidades tendem atualmente à extrema-direita por causa de décadas de propaganda da direita, e ao mesmo tempo são as comunidades que mais serão afetadas se todas as pessoas trabalhadoras imigrantes ilegais forem deportadas.

Mas a crise potencial mais aterrorizante poderá ocorrer fora destas comunidades agrícolas. Milhões de pessoas concentradas em pequenas áreas geográficas, empilhadas umas sobre as outras com pouco ou nenhum acesso a terras aráveis, inteiramente dependentes da infraestrutura agrícola capitalista para sua sobrevivência. É, estou falando da maioria de quem lê este artigo, qualquer pessoa morando numa cidade ou subúrbio, suprindo sua demanda através de supermercados, restaurantes e o UberEats.

As cidades são muito afastadas de todos os processos que as alimentam; ao ponto que a única forma que a maioria de seus residentes entenderão o colapso do sistema de produção de alimentos lá fora de seus apartamentos é pela escassez alimentar e o aumento disparado de preços. Mesmo se a mídia capitalista cobrir as crises alimentares, não é óbvio que a maioria entenderia o que estaria se passando até ser tarde demais. “Colher”, para a maioria, é uma metáfora e não um processo real do qual participa alguém que conhecemos e amamos, e “dar passagem” é algo que você faz quando  chega num cruzamento, não um número ansiosamente observado que prevê se as pessoas conseguirão comer ano que vem [trocadilho intraduzível de yield, que em inglês pode significar tanto dar passagem no trânsito quanto ao tamanho de uma safra]. 

Então quando as inevitáveis crises alimentares ocorrerem, as pessoas nas cidades serão as últimas a entenderem o que terá acontecido e, pior, as menos capazes de se sustentar de outra maneira. Como Kollibiri terre Sonnenblume explica no seu ensaio (leia tudo, sério), a quantidade de espaço e trabalho necessários para se alimentar é impossível num jardim domiliciar ou urbano. A não ser os muito ricos, ninguém nas cidades têm acesso à quantidade de terra necessária. Talvez os moradores de subúrbios tenham, mas aí eles também teriam que saber como fazê-lo e já tê-lo em prática quando viesse uma crise.

Assim, do jeito que se encontra a situação, as pessoas nas cidades são completamente dependentes da distribuição e da produção alimentar capitalista. Não têm outra alternativa. Pior do que isso, a população realmente envolvida neste setor (agricultores grandes ou pequenos, trabalhadores rurais migrantes ou não) têm pouca ligação à política urbana e foram abandonados pelos militantes de esquerda há tanto tempo que agora estão em sintonia com os discursos nacionalistas, fascistas e supremacistas brancos.

Para salvar a cidade, organizar o campo

Repitindo: a não ser que a esquerda tente organizar as populações rurais e agrícolas, nas próximas crises alimentares, serão os fascistas que determinarão quem terá o que comer nas cidades. E não só as pessoas nas cidades agora, mas também aquelas que estão vindo aos Estados Unidos em enxurradas do Sul global (aquelas que na verdade conseguirem ultrapassar o muro de Trump, que está especificamente sendo construído porque ele sabe que elas estão vindo). E também as pessoas fugindo para as cidades grandes das pequenas, cuja infraestrutura será a primeira a falhar em caso de enchentes, secas e tempestades. Some a este contingente todos os refugiados internos que já enchem as ruas das grandes cidades, as cinzentas massas traumatizadas que geralmente só chamamos de “moradores de rua”.

No meio das crises urbanas, o fascismo sempre será atraente, especialmente para as classes médias e os capitalistas, aqueles que mais se beneficiam do funcionamento atual das democracias liberais. Para os mais pobres, a insegurança alimentar e outros colapsos dos “serviços” da civilização já fazem parte das suas vidas diárias e portanto eles estão, até certo grau, mais imunes a este tipo de discurso. Se não entender porque, imagine o que uma mulher de classe média em Portland, Oregon, faria se ela do nada não tivesse mais acesso à água potável, e depois compare este cenário às mulheres pobres em Flint, Michigan, que já passam exatamente por isso.

O fascismo é uma resposta concreta às crises que é facilmente compreendida. A sua ênfase na autoridade e na ordem pode ser uma promessa bem-vinda para pessoas confusas que enfrentam a incerteza e o caos. A ênfase do fascismo nas dicotomias dentro/fora (que o identitarismo da social justice apenas inverte, em vez de abolir) pode fornecer uma maneira concreta para as pessoas aterrorizadas saberem em quem devem confiar e quem é o “inimigo". E a violência direta de aparatos estatais ou semi-estatais fascistas (a polícia, o exército, empresas de segurança particular, grupos “patrióticos” armados) sempre será visceralmente mais efetiva que os chavões progressistas e de esquerda sobre a igualdade, a justiça, e o fim da opressão.

Se falar sobre tal violência estatal parece um pouco exagerado, gostaria de lembrar o leitor ou a leitora de que as forças armadas dos EUA já estão se concentrando em controlar as crises iminentes nas cidades:

As cidades lotadas de refugiados que competem com os moradores por estoques de alimento cada vez menores e mais imprevisíveis, produzidos em terras controladas por cada vez menos capitalistas; tudo isso enquanto um governo cada vez mais autoritário e grupos armados de nacionalistas patrulham as ruas reprimindo o desvio e a rebelião – isto não é um futuro distante tipo-Mad Max, mas o futuro próximo que virá antes de seus filhos se graduarem.

É possível impedi-lo? Provavelmente não; pelo menos não inteiramente. Além de fugir das cidades para viver da terra (uma ideia muito boa, mas traga seus amigos porque muita ajuda será necessária), algumas ações reduziriam o pior dos danos a vir. 

Primeiro, deveria surgir um cenário nas cidades em que grupos de esquerda ofereçam proteção e ajuda e supram as necessidades básicas das suas comunidades sem depender dos capitalistas. Isso se chama uma situação de “poder dual”, na qual a relação primária de poder (o Estado capitalista) é desafiada por relações de poder internas. Nos Estados Unidos e outras democracias liberais, seriam necessárias redes fortemente organizadas e não-sectárias de esquerda. Estas redes (partidos, organizações comunitárias, exércitos, tribos ou gangues) precisariam agir como “chefes locais” ou ordens religiosas, contestando o poder do governo e grupos fascistas rivais e mostrando-se capazes de suprir as necessidades de suas comunidades de base (comida, segurança, etc).

Embora esse cenário já pareça impossível, o próximo é ainda mais improvável. Tais redes nas cidades precisariam incluir ou se estender às zonas rurais mais próximas. Imagine algo como os Panteras Negras organizando jogos de bingo no campo. Aí você entende o que isso precisaria ser. Uma proposta ridícula, talvez, mas só porque por tanto tempo aceitamos que o campo é inerentemente de direita, fascista e racista que fizemos com certeza que o fosse. 

Embora nos Estados Unidos essa ideia pareça ridícula, é muito mais fácil imaginá-la onde vivo na França. Todo sábado compro as verduras da semana (as que não planto no meu jardim) numa feira gigante, onde eu e vários outros moradores da cidade interagem diretamente com produtores rurais. Expandir tais feiras e fazer que a relação entre produtores e consumidores urbanos se torne uma aliança política só é uma proposta absurda se aceitarmos que a cidade é melhor que o campo ou que praticar a agricultura é uma forma desagradável e inferior de viver.

Um contexto político chave que poderia ser uma base potencial para tais relações mútuas é a questão das retomadas de imóveis. A mudança climática dificulta que agricultores endividados paguem seus empréstimos, da mesma forma que o desemprego nas cidades faz com que as pessoas percam suas casas. A construção de uma frente ampla de resistência contra os bancos que cruzasse a divisão entre o campo e a cidade seria uma forma efetiva de aumentar a solidariedade e desestabilizar os interesses capitalistas. Outra prática possível: grupos de esquerda que preenchessem o vácuo de mão de obra para agricultores que tiveram seus empregados deportados. Ensinar moradores urbanos como que funciona a produção agrícola e dando chance para que pessoas da cidade e do campo interajam seriam dois benefícios adicionais. Uma relação mútua deste tipo por fim poderia ajudar imigrantes ilegais, que encontrariam auxílio em redes de proteção que se estendessem entre o campo e a cidade.

De novo, tudo isso parece improvável, pela razão que atualmente não existem tais redes, gangues ou partidos nos Estados Unidos que ousem desafiar o poder capitalista ou a ameaça crescente da mobilização fascista. Mas apesar do desespero catastrófico que virá com a mudança climática, o caos que ela trará abrirá as portas para que grupos anticapitalistas se organizem nestes moldes. Occupy Katrina e Occupy Sandy, dois movimentos temporários que nasceram da organização emergencial após os dois furacões, são exemplos destas potenciais aberturas.

Mais do que tudo isso, no entanto, acho que o maior desafio para garantir que pessoas não morram de fome na cidade é finalmente eliminar o preconceito anti-rural da esquerda urbana. “Caipira”, referências ao incesto ou à falta de escolaridade e todos os outros xingamentos burgueses sobre pessoas do campo que a esquerda repete deveriam tornar-se tão proibidos [verboten] quanto as injúrias raciais são para nós hoje.

Aqui as origens do termo “pagão” são úteis, já que paganus era a palavra latina com a qual os romanos descreviam pessoas do campo. Ser pagão era insistir nas tradições antigas, recusar a se assimilar às leis e à lógica das cidades e manter deuses e costumes locais que nunca foram absorvidos pela religião imperial. No seu antirruralismo atual, a esquerda estadunidense está muito mais próxima da posição de Roma contra os povos conquistados do que qualquer posição que poderia ser minimamente considerada como revolucionária. Acabar com esse complexo de superioridade e entender o quanto nós todos dependemos das unhas sujas de terra daqueles que trabalham o campo nos aproximará a uma esquerda que não destrói a natureza.

E provavelmente será a chave para nossa sobrevivência.


RHYD WILDERMUTH

Rhyd Wildermuth é um druida e um escritor. Seu livro mais recente é Tudo que é sagrado é profanado: Uma introdução pagã ao Marxismo (Logo disponível em português).

Seus outros livros podem ser encontrados aqui e seu blog pessoal é Paganarch.