blw.jpg

A SITE OF BEAUTIFUL RESISTANCE

Gods&Radicals—A Site of Beautiful Resistance.

I Don't Remember Being Born to Please You

Politeness isn’t our shield, our unity is. Unity not only between women, but between all of us who are dedicated to destroying White Capitalist Patriarchy.

There is no way to destroy the Patriarchy by being “gezellig”.

Tradução Português BR aqui.

Gezellig

  1. Having company with a pleasant, friendly ambience

  2. (of an atmosphere) Cozy

  3. Having an upbeat feeling about the surroundings

(Wikitionary)

Do you ever feel that you have to keep your thoughts to yourself in order not to destroy a pleasant ambience? So you just sit there listening to someone say something that disturbs you, trying to pretend you are not disturbed, because you don’t wanna disturb anyone. This is especially common among women, because cis men have been more influential historically, which raises the stakes of an impasse. The woman’s reaction to what’s disturbing is often deemed as the problem, and not what was disturbing to begin with. As a result, we learn to shut up. We become conditioned to put other people’s needs ahead of our own.

Women must never make a man feel stupid. It can cost us our jobs, our reputation, our safety, and even our lives. Mansplaining, on the other hand, is as prolific as HPV, except that instead of cancer they get a promotion. We sometimes even endure painful or plain sex just to avoid making the sexual encounter uncomfortable for him. If we do this in our most intimate moments with people we trust enough to bring into our beds, imagine how this happens in the interactions with every other dude we encounter daily, who we don’t even trust near our table.

You can certainly continue to do that, if that’s what you want. But I’m here to say that it’s a revolutionary act to speak your mind, and that you don’t always need to be liked by people you don’t like, or please people who don’t please you. Politeness isn’t our shield, our unity is. Unity not only between women, but between all of us who are dedicated to destroying White Capitalist Patriarchy.

There is no way to destroy the Patriarchy by being gezellig. When I lived in the Netherlands I heard this word constantly, and I learned I am not it. Maintaining a pleasant ambience is nowhere close to a priority to me, but it’s aggressively expected. If someone is uncomfortable, why is that not being addressed? How is “gezelligheid” more important than someone’s well-being? One would imagine that if a person is not well, that this means the ambience is not as gezellig as it seems, but in practice, the ambience has a life of its own, independent of individuals involved.

You don’t create the ambience, the ambience is created for you, by some type of paternal figure that knows what’s best for you. Not to sound like a working-class intellectual, but we could easily call that the cultural hegemony or an ideological state apparatus. Its main purpose being: indoctrinating us to do the work of maintaining the status quo, and benefiting only an elite, which certainly doesn’t include whoever is expected to put a pillow over their feelings.

If we want the world to change, and a revolution to bury this rotten system, we need to be able to revolutionize our daily personal interactions. Otherwise, it’s the revolution we are suffocating to death, allowing for reactionary behaviors to thrive. If we don’t expect respect from our lover, our neighbor, our friends, how do we expect to get it from a Government or our society as a whole?

The idea that we need to learn to tolerate toxic behaviors from men in order not to rock the boat is the same principle that leads us to tolerate fascist behavior from the State. Fear of repercussions is silencing, and so it remains. Almost all supposedly horizontal organizations I’ve participated in had a dude that eventually revealed a subliminal leadership role. Of course, in order to maintain the pleasant ambience in the group, you’re expected to accept that. And there is an array of excuses: he’s been at the organization longer, he was a founder, he knows a lot, and so on. Basically, he is the most influential. Without the leader, the organization collapses. Without the “nagging bitch”, they’re left with months worth of gossip material. And so we reproduce the idea that women are disposable, replaceable, and contribute only silently by ensuring superficial diversity.

“You can’t teach new tricks to an old dog”, someone once told me, trying to convince me to adapt to someone else’s toxic behavior. I “need to be patient, and understand that people are like this, this is how it is”. The problem is that it’s usually men telling women what they need to do, how they need to adapt, how they are doing something wrong for not tolerating other people’s wrongdoing. My motto is to not put my head down any longer. They are the ones who need to adapt to me, to understand that this is how I am. This is what I call “learning to deal with it”. Because accepting the way things are in order to protect the well-being of a hegemony is very reactionary, and embarrassing to hear from people who claim to be militant.

There is no doubt that misogyny comes from inside the house, but this isn’t an excuse to toss feminism out the window. In other words, women reproducing sexist behaviors doesn’t mean the Patriarchy doesn’t exist. If we are worried about each other’s well-being, the best way to ensure it for your comrades is to back them up, not to silence them. We can build communities where we listen to each other, where it’s OK to make mistakes and apologize, by distinguishing between hegemonic power and empowerment, and strictly nurturing the latter. The Serpent’s Egg must go from being the lurking threat of fascism to being our tailsman of magickal focus. Only then can we begin to plan the important things, and to stop enabling violence in general.

Look at that picture. Look at all those people. They are incapable of a revolution. They are far too humiliated, too afraid, too downtrodden. But in ten years... By then... the 10-year-olds will be 20, the 15-year-olds will be 25. To the hatred inherited from their parents, they will add their own idealism and impatience. Someone will step forward and put their unspoken feelings into words. Someone will promise a future. Someone will make demands. Someone will talk of greatness and sacrifice. The young and inexperienced will give their courage and their faith to the tired and the uncertain. And then there will be a revolution, and our world will go down in blood and fire. (Transcript from the Serpent’s Egg)

Talitha Andrade’s work

“LUTO”

means: the verb to fight in present first person

and: the noun to mourn.


MIRNA WABI-SABI

is co-editor of Gods&Radicals, and writes about decoloniality, feminism, and anti-capitalism.


Tradução

Não lembro de ter nascido para te agradar

Gezellig

  1. Ter companhia com um ambiente agradável e amigável

  2. (de uma atmosfera) Aconchegante

  3. Ter uma sensação otimista sobre o ambiente

Você já sentiu a necessidade de não falar o que pensa para não destruir uma atmosfera agradável? Então você fica sentada, ouvindo alguém dizer algo que te incomoda, tentando fingir que não está incomodada pra não incomodar ninguém? Isso é especialmente comum entre as mulheres, porque os homens cis têm sido mais influentes historicamente, o que aumenta o risco de um impasse. A reação da mulher ao que é incomodo é muitas vezes considerada o incomodo em si, e não o que a incomodou inicialmente. Como resultado, aprendemos a calar a boca. Somos condicionadas a colocar o conforto de outras pessoas à frente do nosso.

As mulheres nunca devem fazer um homem se sentir estúpido. Pode nos custar os nossos empregos, a nossa reputação, a nossa segurança, e até mesmo as nossas vidas. Mansplaining, por outro lado, é tão prolífico quanto o HPV, exceto que em vez de resultar em câncer, resulta neles serem promovidos. Nós às vezes até suportamos sexo doloroso ou simplesmente nulo apenas para evitar que a relação sexual seja desconfortável para ele. Se fazemos isso em nossos momentos mais íntimos com pessoas que confiamos o suficiente para trazer para nossas camas, imagine como isso acontece nas interações com todos os outros caras que encontramos diariamente, em quem nem confiamos perto da nossa mesa.

Você certamente pode continuar a fazer isso, se é isso que você quer. Mas estou aqui para dizer que é um ato revolucionário falar o que você pensa, e que você nem sempre precisa agradar pessoas que não te agradam. Polidez não é nosso escudo, nossa unidade é. Unidade não apenas entre mulheres, mas entre todos e todas nós que nos dedicamos a destruir o Patriarcado Capitalista e Branco.

Não há como destruir o Patriarcado sendo gezellig. Na Holanda essa palavra é usada constantemente, e aprendi que ela não se aplica a mim. Manter um ambiente agradável pro outro está longe de ser uma prioridade, mas é agressivamente esperado. Se alguém está desconfortável, por que isso não está sendo resolvido? Como é que a “gezelligheid" é mais importante do que o bem-estar de alguém? Pode-se imaginar que, se uma pessoa não está bem, isso significa que o ambiente não é tão agradável quanto parece, mas, na prática, o ambiente tem vida própria, independente dos indivíduos envolvidos.

Você não cria o ambiente, o ambiente é criado para você, por algum tipo de figura paterna que sabe o que é melhor para você. Poderíamos facilmente chamar isso de hegemonia cultural ou de aparato ideológico estatal. Seu principal objetivo sendo: nos doutrinar para fazer o trabalho de manutenção do status quo, e beneficiar apenas uma elite, que certamente não inclui quem deve sufocar seus sentimentos.

Se queremos que o mundo mude, e que uma revolução enterre esse sistema podre, precisamos ser capazes de revolucionar nossas interações interpessoais. Caso contrário, é a revolução que estamos sufocando até a morte, permitindo que comportamentos reacionários prosperem. Se não esperamos respeito de nosso ficante, nosso vizinho, nossos amigos, como esperamos obtê-lo de um governo ou de nossa sociedade como um todo?

A ideia de que precisamos aprender a tolerar comportamentos tóxicos de homens para não sermos desagradáveis é o mesmo princípio que nos leva a tolerar o comportamento fascista do Estado. O medo das repercussões nos silencia e, assim, permanece.

Quase todas as organizações supostamente horizontais em que participei tinham um cara que acabou revelando um papel de liderança subliminar. É claro que, para manter o ambiente agradável no grupo, é esperado que você aceite isso. E há uma série de desculpas: ele está na organização há mais tempo, ele era um fundador, ele sabe muito e assim por diante. Basicamente, ele é o mais influente. Sem o líder, a organização entra em colapso. Sem a “chata", eles ficam com meses de material pra fofoca. E assim reproduzimos a ideia de que as mulheres são descartáveis, substituíveis e contribuem apenas silenciosamente, garantindo uma diversidade superficial.

“Você não pode ensinar truque novo pra cachorro velho", alguém me disse uma vez, tentando me convencer a me adaptar ao comportamento tóxico de outra pessoa. Eu preciso ter paciência e entender que as pessoas são assim, é assim que é. O problema é que geralmente os homens que dizem às mulheres o que elas precisam fazer, como elas precisam se adaptar, como elas estão fazendo algo errado por não tolerar os erros de outras pessoas. Meu lema é não colocar minha cabeça para baixo. Eles são os que precisam se adaptar a mim, entender que é assim que eu sou. Isso é o que eu chamo de “aprender a lidar com isso”. Porque aceitar a maneira como as coisas são para proteger o bem-estar de uma hegemonia é muito reacionário, e é triste ouvir isso pessoas que se dizem militantes.

Não há dúvida de que a misoginia vem de dentro de casa, mas isso não é uma desculpa para jogar o feminismo pela janela afora. Em outras palavras, mulheres reproduzindo comportamentos sexistas não significa que o Patriarcado não exista. Se estamos preocupados com o bem-estar umas das outras, a melhor maneira de garantir isso para suas parceiras é apoia-las, não silenciá-las. Podemos construir comunidades onde ouvimos umas as outras, onde tudo bem cometer erros e pedir desculpas. Devemos distinguir entre poder hegemônico e empoderamento, e estritamente alimentar o último. Só então poderemos começar a planejar as coisas importantes e parar de reproduzir a violência.

Texto: Mirna Wabi-Sabi

Arte: Talitha Andrade

Título: Inspirado pela Gloria Groove (O Proceder)